Um dia no "Umbigo do Mundo"... O que fazer em 4 horas?

Cusco oferece vários atrativos turísticos, que por vezes, com pouco tempo, ficamos com a sensação de não termos visto tudo. Mais do que uma visita a Machu Picchu, vale a pena ter tempo para visitar a cidade de Cusco, sendo que uma das melhore opções são fazer o city tour ou passeio pela cidade e ver os seus principais atrativos.

Este passeio, geralmente, começa de tarde, entre as 13:00 e as 14:00. O primeiro lugar q visitam é a imponente Catedral de Cusco, lugar que alberga centenas de telas da escola “cusqueña”, objetos em ouro e prata, assim como esculturas de santos cristãos, onde se destaca o cristo moreno com feições andinas, o Señor de los Temblores, ou “Taytacha de los Templores”, como lhe chamam os “cusqueños”. Ele foi nomeado Santo Protetor da cidade desde o ano 1650, data que, segundo a tradição, acalmou um dos terramotos mais devastadores da cidade.

 

 

Seguimos até o Coricancha ou Recinto de Ouro (em castelhano). Este era o templo principal da cidade de Cusco. De acordo com algumas histórias, os seus muros e passadiços estavam cobertos com placas de ouro e prata, o que despertou a cobiça dos espanhóis, que roubaram tudo, quando chegaram a Cusco.

Durante a nossa visita podemos apreciar muros incas, perfeitamente cortados e colocados uns sobre os outros, dando a impressão que serem uma só peça. Os incas conheciam várias técnicas para garantir um trabalho perfeito, fruto do conhecimento adquirido por outras culturas anteriores a eles. Dentro do Coricancha, atualmente podemos observar um grupo de pedras de nos dão o testemunho de como se trabalhava a pedra e como se uniam uma contra a outra. Também podemos ver os recintos de veneração a Quilla (Lua), as estrelas e ao “Tambor solar”, o Templo do Sol – lugar onde se venerava o Inti (Sol).

 

 

 

Quando os espanhóis chegaram, estabeleceram aqui a Igreja de Santo Domingo e o seu Convento. Aqui, poderá visitar uma galeria onde existem telas da escola “cunqueña” e várias esculturas de virgens e santos católicos, entre os quais se destaca a Virgem do Rosário, cuja particularidade é levar um “choclo” (milho) em suas mãos, tendo uma conotação andina ao estar relacionada com a “Mama Sara”, que é um dos produtos mais venerados nos Andes. O custo para entrar no museu é S/10.00 e o bilhete pode ser comprado na porta de entrada. No fim da visita, vamos de ônibus até Sacsayhuaman, que está fora da cidade. Pelo caminho passamos na Praça San Cristóbal, de onde temos uma vista panorâmica da Praça de Armas de Cusco. Sacsayhuaman foi um lugar de veneração tal como o Coricancha, na época inca, segundo alguns, mais importante que este último.

 

 

Em Sacsayhuaman existiam lugares onde era feito o culto ao relâmpago e ao arco-íris, que eram também deidades andinas importantes. O nome original deste local se perdeu no tempo e agora o nome atual é “Sacsayhuaman”  e vem do massacre dos espanhóis contra as tropas de Manco Inca e a resistência andina para recuperar a cidade de Cusco. Dizem alguns cronistas que foi nesse massacre que foram atirados centenas de cadáveres aos arbustos e que as aves de rapina desceram para comer os cadáveres. Daí a tradução de Sacsa (saciado) e Huaman (falcão). Hoje em dia só podemos apreciar as ruínas deste importante local, uma vez que as pedras foram utilizadas para a construção das igrejas de Cusco, incluindo a Catedral .

Seguimos para Qenqo (labirinto), porque se assemelha a um pequeno labirinto onde podemos ver as suas câmeras subterrâneas e figuras em forma de zigzague, escavadas nas rochas. Acreditam que foi um centro de veneração da água e o último lugar de descanso do Inca Pachacuteq.

 

 

 

 

O passeio continua até Puca Pucara (Fortaleza vermelha), que é um centro arqueológico de caráter militar e administrativo. Aqui, na época inca, realizavam a cerimónia Warachicuy (cerimónia de formatura inca). Ainda fazem essa representação no mês de Setembro em Sacsayhuaman. Puka Pukara também servia como ponto de controle para as pessoas que vinham do vale sagrado e desejavam entrar na cidade sagrada de Cusco.

A poucos passos daqui, está Tambomachay, último centro arqueológico que visitamos neste passeio. Aqui, veneravam a água. Podemos ver um grande trabalho de engenharia hidráulica dos Incas, uma vez que existem fontes de água por onde corre a água das lagoas mais próximas. Dizem que na época inca, aqui, as pessoas que desejavam entrar em Cusco deviam primeiro realizar uma cerimónia de limpeza do corpo e da alma, com ajuda das águas deste local.

 

Finalizando esta visita, Voltamos a Cusco, não sem antes parar nas lojas de artesanato para poder comprar algumas lembranças. Deverá ter em conta que para visitar os 4 últimos centros arqueológicos necessita de ter o bilhete turístico.

Podemos realizar este passeio por conta própria, mas considerando o custo e tempo que nos toma, ir num transporte coletivo a cada um dos lugares, fica mais conveniente contratar um tour numa agencia.

Inca Word Peru oferece este tour com os melhores preços, transporte turístico e um guia especializado incluído, para que tenha uma melhor e inesquecível experiência na nossa vista pelo Umbigo do Mundo.

 

 

.
01 Marzo 2017

.

Artículos Relacionados

VOCÊ QUER VIAGEM PARA A BOLIVIA?

Visita Inca World Bolivia

Oferecemos experiências fantásticas em La Paz, Uyuni, Coroico e muito mais